quinta-feira, 1 de novembro de 2012

REFLEXAO


Reflexão        

                                                                                                                                               
Morremos lentamente 
Quando concordamos
Com tudo que os outros
Querem que façamos.
E mesmo sem aceitar
Calamo-nos e aceitamos,
Para que não haja contendas.
Morremos lentamente
Quando o grito fica reprimido
A dor fica tão grande
Que nem respiramos.
Morremos lentamente
Quando tudo a nossa volta
Está errado
E tentamos
 Fazer de conta
Que tudo está bom.
Morremos lentamente
Quando desejamos
Sumir na imensidão
Quando os sonhos
Terminam  
E as esperanças
Para bem distante voaram.
Quando nosso desejo
È calar, e não ouvir.
Estado terminal
Alma entristecida
Coração esse coitado
Esta morrendo.
Terezinha C Werson
1/11/2012


LEIA-ME


LEIA-ME.


Eu sou o que escrevo.
Uso caneta e papel, minha
Alma vai mandando
Eu vou escrevendo, ao meu lado
Senta um anjo secando
Os meus olhos, das lágrimas
Que vão rolando.
Tudo que escrevo
Sou eu, sou mar, sou onda
Que na areia se derrama...
Sou sol do entardecer que de mansinho
Esconde-se, sou brisa da madrugada
Que de leve toca nos campos.
Sou vento que bate forte
Para que alguém me ouça,
Sou floresta solitária
Sou rio no meio da solidão
Sou pássaro sem companhia
Escondido no jardim das ilusões.
Canto ninguém me ouve
Quando me canso  voo
A procura de um riacho,
Ali sobre uma pedra descanso
Eu sou pura solidão.
Leia-me...
Sou o que escrevo.
 Sou poeta de DEUS!
Terezinha C Werson
1/11/2012

Quem sou eu

Minha foto
Sao Paulo, Capital, Brazil
Gosto de escrever poesias prefiro escrever do que falar gosto de ler,nao tenho autor preferido, o importante é que seja um bom livro. escrever é uma maneira de mostrar o que nos vai na alma.

Arquivo do blog

Seguidores