domingo, 21 de outubro de 2012



LEMBREI-ME.

Sala de jantar
Noite, luz de lamparina.
Quietude...
Um homem sentado
Numa cadeira de balanço
Um cigarro de palha
A fumaça lhe encobria
A face sisuda.   
Não conversava
Olhar parado.
Do outro lado da sala
Uma bela senhora
Esguia, cabelos da cor de prata
Enrolados sobre a nuca.
Vez ou outra soltava
Os cabelos como fios de prata
Sobre os ombros caiam.
Tristonha... Amassava o fumo
Enchia o cachimbo
Acendia... E a fumaça
Começava a subir, com delicadeza.
Colocava na boca muda
Sentava-se num canto da sala
E ficava a olhar o ziguezague da fumaça
E os seus sonhos se desfaziam como a fumaça
Solidão... Quietude. Moravam naquela sala
Palavra nenhuma se ouvia
E a lamparina ia ficando fraquinha
Quase apagando
A solidão era tanta
Que nem a luz da lamparina
Iluminava aquela sala
E a bela mulher
Foi se apagando
Como a luz da lamparina.
Terezinha C Werson
21/10/2012
ISTO ACONTECIA COM MEUS AVÓS.




2 comentários:

Soaroir de Campos disse...

Vim conhecer teu blog. Parabens. Salut!

Patrícia Pinna disse...

Muito triste ver um casal assim, sem cumplicidade, proximidade.
Solidão é horrível, principalmente acompanhada.
A ausência de diálogo faz tudo esfriar, tornar-se morno, beirando a morte.
Triste fim, realidade de muito e muitos.
Uns, fazem parecer normal, parceria aos olhos dos outros, mas sozinhos, são cada vez mais ilhados!

Quem sou eu

Minha foto
Sao Paulo, Capital, Brazil
Gosto de escrever poesias prefiro escrever do que falar gosto de ler,nao tenho autor preferido, o importante é que seja um bom livro. escrever é uma maneira de mostrar o que nos vai na alma.

Arquivo do blog

Seguidores